Daikin lança substituto do R-22 e R-404A nos EUA

R-407H - Refrigerante da Daikin
Substância de menor impacto climático exige poucas modificações nos sistemas de refrigeração, ressalta companhia

A subsidiária norte-americana da Daikin anunciou a disponibilidade de amostras de testes do fluido refrigerante R-407H – uma mistura de R-32, R-125 e R-134a – para o mercado local.

A empresa revela que estas amostras serão destinadas a empreiteiros e distribuidores que trabalham com sistemas de refrigeração comercial.

Segundo a Daikin, sua aplicação exige poucas modificações nos sistemas frigoríficos, e o novo fluido refrigerante não a degrada camada de ozônio e tem um potencial de aquecimento global (GWP) de 1.495 – 62% inferior ao do R-404A.

A companhia destaca que o R-407H foi submetido à aprovação da Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) como substituto do hidroclorofluorcarbono (HCFC) R-22 e dos hidrofluorcarbonos (HFCs) R-404A e R-507A, que são amplamente utilizados em equipamentos de refrigeração de supermercados, armazéns e embarcações marítimas.

Em testes comparativos realizados por vários fabricantes de equipamentos e universidades, o R-407H demonstrou eficiência equivalente à do R-404A em baixa temperatura de evaporação, e melhorias de eficiência em temperatura média.

Compatível com lubrificantes à base de poliol éster (POE) e óleos comuns, o novo fluido refrigerante também apresenta pressão de trabalho semelhante à do R-404A.

“O R-407H foi desenvolvido para cumprir os regulamentos globais e possibilitar retrofits simples e econômicos. Além disso, seu histórico e sua eficiência comprovada qualificam o produto para cumprir os objetivos de redução de GWP estabelecidos pela EPA”, afirmou Jim McAliney, vice-presidente de vendas e marketing da Daikin America.

Mundialmente, a Daikin é reconhecida por fabricar equipamentos de ar condicionado, mas a empresa também é um dos principais fabricantes de fluorquímicos do mercado. Em 2015, ela comprou a área de refrigerantes da Solvay, um acordo que deu à indústria japonesa sua primeira base de fabricação dessas substâncias na Europa.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

comentários

Adicionar comentário

Clique para comentar