Boas práticas de refrigeração garantem substituição segura do R-22

Descarte de HCFC no meio ambiente é crime, alerta professor

Observar as recomendações ambientais, normas técnicas e de segurança do trabalho; identificar e classificar o fluido refrigerante proposto; projetar válvulas de expansão, instrumentos de medição e controle para tal substância.

Estas são apenas algumas orientações acerca das boas práticas de refrigeração necessárias para garantir uma substituição segura e eficiente do hidroclorofluorcarbono (HCFC) R-22 em sistemas frigoríficos.

Segundo o técnico em refrigeração Diogo Estevão Pinheiro Rezende, professor da Treinatec BH Cursos, os profissionais do setor também devem efetuar a análise termográfica do circuito elétrico, conferir reapertos dos quadros elétricos e verificar se as casas de máquinas se encontram com altas temperaturas.

Ao substituir o R-22, ainda é preciso trocar óleo e filtros, testar a estanqueidade do sistema e fazer o alto vácuo.

“Devido ao seu alto poder de destruição das partes internas dos componentes e equipamentos do sistema pela oxidação, a umidade precisa ser completamente removida”, ressalta.

De acordo com o técnico em automação e instrumentação Junio Félix Silva, que também leciona na escola profissionalizante de Belo Horizonte, diversos instrumentos e ferramentas são necessários à realização do retrofit do R-22, como válvulas de segurança, pressostato de alta, pressostato de baixa, pressostato diferencial, manifold devidamente aferido, multímetro ou amperímetro.

“Todos os cilindros de fluidos recolhidos devem ser alocados e destinados a local apropriado. O descarte indevido destes recipientes é passível de punição, por se tratar de crime ambiental”, alerta.

Ele também lembra que a venda de fluidos refrigerantes é controlada por um código registrado na base dos cilindros, por meio do qual se consegue rastrear seu vendedor e comprador.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

comentários

Adicionar comentário

Clique para comentar