Mercado de sistemas de controle valerá US$ 13 bilhões em 2021

capa-marco
Confira na íntegra a reportagem de capa da Revista do Frio de março. Baixe aqui a edição completa

Com a eficiência energética se tornando uma das principais pautas da agenda política global, os governos e a iniciativa privada promovem, cada vez mais, a construção de edifícios verdes e eficientes em termos energéticos.

Uma vez que a automação predial e os sistemas de controle podem, efetivamente, monitorar e reduzir o consumo de energia nos edifícios, haverá um aumento exponencial na sua adoção nos próximos anos.

A previsão é da Technavio, empresa global de pesquisa e consultoria tecnológica. De acordo com o seu último estudo de mercado, o tamanho da indústria mundial de sistemas de controle de aquecimento, ventilação e ar condicionado (HVAC) deverá saltar para US$ 13,1 bilhões até 2021, crescendo a uma taxa anual composta de 9% nos próximos quatro anos.

Um sistema de controle é usado para regular a temperatura, a umidade e o fluxo de ar dentro de um ambiente fechado, a fim de proporcionar conforto térmico a seus ocupantes. Segundo os analistas, a expansão global da indústria da construção civil está criando uma grande demanda por novos sistemas HVAC.

control-01O documento, que será lançado este mês, fornece uma análise profundada do setor em termos de receitas e tendências nos mercados emergentes, dividindo-o em três segmentos: sensores, dispositivos controlados e controladores.

“O mercado de sistemas de controle por sensores é responsável por gerar mais de 40% da receita global setor e continuará sendo líder durante os próximos anos. Os sensores são usados para medir e detectar mudanças na temperatura, na umidade, na ocupação dos espaços fechados ou no fluxo de ar e sua pressão”, diz Bharath Kanniappan, um dos analistas principais em Technavio.

Os sensores funcionam como um elo entre os sistemas HVAC e os usuários finais. Os sensores mais avançados são capazes de se comunicar com termostatos, aplicativos de celular e internet. Esses sensores também podem auxiliar os proprietários de edifícios a otimizar o uso de energia e reduzir custos com climatização.

Além disso, muitos players desse mercado estão investindo pesadamente na melhoria dos sensores, o gera uma quantidade adicional significativa de receita.

O aumento do número de edifícios com vários níveis de piso e dispositivos controlados para monitorar o desempenho dos sistemas HVAC irá impulsionar o mercado. A automação doméstica inteligente é outro fator chave para esse segmento.

trane-automacaoA demanda por termostatos inteligentes, que podem integrar os condicionadores de ar aos sistemas de automação residencial, registrará um forte aumento durante o período analisado. Atualmente, os fornecedores estão se concentrando na introdução de dispositivos controlados avançados e inovadores, capazes de agilizar as operações das unidades HVAC.

Já os controladores inteligentes ganharão proeminência nos próximos anos, mas os controladores independentes permanecerão sendo mais populares no mercado.

“Controladores autônomos ou em rede são instalados em edifícios para gerenciar os controles do ar-condicionado e atuar como a unidade de processamento central de todo o sistema HVAC. Os controladores analisam as mudanças detectadas pelos sensores, comparam tais alterações com os parâmetros previamente definidos e, finalmente, fornecem as instruções de ajuste aos dispositivos controlados”, explica Bharath.

Os principais fornecedores globais da área destacados pelos analistas da Technavio no relatório são Honeywell, Johnson Controls, Schneider Electric, ABB, Cylon e Trane.

Cenário nacional

A atual crise econômica brasileira fez com que os investimentos e verbas destinados à automação diminuíssem bastante em relação aos anos anteriores. “Alguns clientes enxergam a automação como supérfluo e não como ferramenta chave para diminuição de custos. Além disso, a taxa de câmbio tem impactado diretamente o setor, pois parte dos produtos é fabricada no exterior”, diz o engenheiro eletricista Mauricio José Alves Camargo, gerente de vendas de controles da Trane no País.

Recentemente, a companhia lançou o sistema de controle e sensores wireless Trane Air-Fi, que possibilita comunicação sem fio utilizando o protocolo aberto de comunicação BACnet/ZigBee (ANSI/ASHRAE Standard 135-2008 adendo q), um padrão global de comunicação que garante segurança e confiabilidade no monitoramento e controle de sistemas de automação.

“Essa tecnologia simplifica os projetos, minimizando os custos relacionados à engenharia, aquisição e tarefas associadas ao gerenciamento de projeto com a rede de comunicação dos controladores e instrumentos”, salienta.

“Já é grande a procura por produtos com esses recursos em diversos setores e isso se consolida como uma tendência de mercado, tanto nas instalações prediais, quanto nas lojas de varejo e até mesmo nas indústrias”, acrescenta.

compressor-scroll-vzhO segmento de refrigeração comercial também sentiu os efeitos da retração econômica. “Apesar da queda do número de construção de novas plantas frigoríficas, os serviços de reforma visando obter mais eficiência dos sistemas acabam empregando um grande número de componentes de automação”, ressalta Marcos Bernardi, consultor técnico sênior da Danfoss.

“Oferecemos produtos adequados para as novas tecnologias, como as novas versões de controladores de racks modelo AK-PC781, e também da linha MCX para sistemas de refrigeração com CO2 do tipo cascata”, informa.

Para o segmento de ar condicionado, a companhia fornece compressores de velocidade variável Scroll VZH, com inversores de frequência acoplados. “As válvulas de expansão eletrônica modelo ETS estão sendo totalmente reformuladas, com controladores mais atualizados quanto às novas tecnologias de automação”, diz.

“Recentemente, lojas de grandes varejistas receberam sistemas de CO2 transcrítico e foram equipadas com nossos produtos para automação, apresentando um resultado acima das expectativas”, completa.
Desde o início do ano, os sinais de recuperação do setor já são visíveis, segundo avalia a gerente de vendas e marketing da Ageon, Luciana Catão. O mercado, enfim, voltou a se aquecer e a demanda por controladores e outros produtos de automação está aumentando.

smarset-max “Ao que tudo indica, os próximos meses serão de ascensão neste mercado e de retomada em muitas negociações que foram afetadas pela crise no ano passado. Embora 2016 tenha sido um ano de crescimento para a Ageon, o ano de 2017 nos dá indícios de uma expansão ainda maior”, revela.

Recentemente, a empresa brasileira apresentou uma novidade para o segmento de câmaras frigoríficas, a linha SmartSet Max. “Muito mais do que um controlador de temperatura, essa tecnologia possui quadros de comando completos que permitem o controle total da câmara em um único aparelho”, explica.

“O grande diferencial desta linha é a variedade de opções de potência, alimentação, componentes auxiliares (como contatores, disjuntores, fusíveis e relé de sobrecarga), entre outros. Tudo isso faz com ela seja a solução ideal para diversas aplicações, tanto em câmaras de congelados quanto resfriados”, acrescenta.

Outra novidade da Ageon é a linha AutomaSol de controladores para aquecimento solar. Com formato compacto e automasolsistema de fixação por sobrepor, a linha AutomaSol possui instalação simples e prática, reduzindo o tempo necessários por técnicos e instaladores. A tecnologia ainda realiza o acionamento automático da bomba e sua operação é facilitada pelas teclas integradas ao painel frontal.

“Com uma diversificada linha de controladores de temperatura e inversores de frequência, a Ageon está presente em diversos setores do mercado”, ressalta a gestora.

Uma das empresas mais inovadoras do setor, a Full Gauge enfrentou a crise buscando ampliar sua participação no mercado externo, estratégia que tem se mostrado acertada há vários anos.

“Retornamos recentemente da nossa 16ª participação como expositores na AHR Expo de Las Vegas. Tradicionalmente, somos a única empresa brasileira do segmento de controladores com estande próprio na feira”, frisa Antônio Gobbi, diretor da companhia que fabrica diversas soluções para esse mercado, entre as quais se destacam o TC-900E LOG, o MT-512E LOG, o MT-543ELOG e o Thermon

mcx-danfossSempre otimista, o empresário enxerga várias possibilidades crescentes para o setor. “Para destacar algumas, posso citar a demanda no ramo de alimentação por serviços de manutenção especializados, para redução de gastos energéticos. E, nessa linha, vemos uma grande oportunidade também no segmento de energias renováveis, como a solar e fotovoltaica. Há anos, testemunhamos movimentos nesse sentido, mas como as energias convencionais estão muito caras, apostaríamos que este é o momento delas”, arremata.

Adicionar comentário

Clique para comentar